O que você quer ser quando crescer?

maio 29, 2017


Quando cresci comecei a pensar no futuro, e aquela pergunta sobre o que eu queria ser quando crescer começou a parecer aqueles monstros debaixo da cama que, quando criança, morria de medo de enfrentar. Não podia mais responder qualquer coisa que surgisse na minha cabeça. Escolhi a profissão e torci para não ter feito a escolha errada. 

Entrei na faculdade com uma visão idealizada, mas os primeiros dias já me mostraram que não seria aquilo que eu havia imaginado. Conheci pessoas que, embora tenham o mesmo sonho que eu, ainda são muito diferentes de mim. Ingenuidade a minha achar que seriamos todos parecidos. E sigo tentando conviver com isso, porque nesse mundo de adulto não dá pra estender os dedos e dizer "corta aqui".

Então começa a fase de estudar, procurar um trabalho na área, pagar contas, além de tentar ter uma vida saudável e equilibrada. Mas o tempo parece não colaborar com todas essas responsabilidades e expectativas. Foram várias entrevistas de emprego que fiz e não me contrataram por não ter experiência, mesmo sabendo que para isto precisavam me dar uma oportunidade.

Depois de um tempo e tanta frustração essa chance chegou e consegui um estágio na área. Senti-me reconhecida pela oportunidade e confiança. Desde então, aprendo coisas novas a cada dia e as responsabilidades estão sempre aumentando, tanto na vida profissional, acadêmica e pessoal. Mas assim segui, brigando contra o tempo, em que às vezes parecia voar, entre outras estagnava-se. 

São infinitos trabalhos e provas a serem feitos e entregues. E os finais de semana sobrecarregados com a frustração de conciliar tudo isso com o lazer e o descanso. Já não lembro quando foi a última vez que li um livro por espontânea vontade, já não escrevo mais no blog que tanto gosto e não sei o que acontecerá no próximo ano, se vou ser registrada no trabalho e se vou querer fazer ou  não uma pós-graduação - se é que terei dinheiro pra isso. Tudo o que desejava era entregar o TCC sem sofrimento. Mas descobri que tudo o que dizem sobre essa fase é verdade. É pior.

Então passa um filme em minha cabeça. Apesar de toda a correria e dificuldade esses anos fizeram com que eu me apaixonasse por minha profissão e por aqueles que já atuam nela. Perdi noites pra fazer o melhor que podia, e fiz. Saí com os amigos pra comemorar. Chorei de emoção e nervoso. Mas cresci. Continuo preferindo ouvir, mas aprendi a falar quando é necessário. Aprendi a escrever melhor, embora saiba que nunca será o suficiente. E sei que, apesar de tudo, quando decidi o que queria ser quando crescer, fiz a escolha certa. 

Ainda não acabou o 7º semestre, mas já me antecipo: Que venha o 8º!


Você pode gostar também:

0 comentários

"O escritor é um homem que mais do que qualquer outro tem dificuldade para escrever."